outubro 21, 2010

O Mundo Feudal

O sistema feudal surgiu das novas condições decorrentes do fim do Império Romano e das invasões germânicas. Uma sociedade fragmentada em estamentos, onde a possibilidade de mobilidade entre elementos da nobreza, do clero e dos servos era praticamente nula.

M. Ouriques

A formação do sistema feudal teve início com a desagregação do Império romano e a instalação dos povos germânicos na Europa Ocidental. Por este motivo as instituições feudais foram formadas a partir de elementos de origens romanas e germânicas.

Elementos Romanos:

  • Colonato – sistema de trabalho servil que se desenvolveu coma decadência do Império Romano quando escravos e plebeus empobrecidos passaram a trabalhar como colonos em terras de um grande senhor. O proprietário oferecia terra e proteção ao colono, recebendo deste um rendimento do seu trabalho.
  • Fragmentação do poder político – no fim do período imperial a administração romana não tinha condições de impor sai autoridade em todas as regiões. Com o enfraquecimento do poder central, os grandes proprietários de terra foram aumentando seis poderes locais.

Elementos germânicos:

· Economia agropastoril – a base da economia germânica era a aagricultura e a criação de animais, sem a intenção de produzir excedentes para a comercialização.

· Comitatus – instituição que estabelece laços de fidelidade entre chefes militares e guerreiros.

· Beneficium – concessões de posse de terras entregues para guerreiros por seus chefes militares

O sistema feudal abrangeu um extenso território: toda Europa Ocidental e por ocupar uma área tão vasta, não foi idêntico em todos os lugares. Porém algumas características eram comuns a estes locais:

  • Fortalecimento do poder local
  • Existência de vínculos pessoais de obediência e proteção
  • Trabalho servil na agricultura
  • Fortalecimento da vida rural

A sociedade feudal

A sociedade feudal era fragmentada em estamentos (grupo diferenciado por funções específicas e situação jurídica própria).

Era uma sociedade onde não havia mobilidade entre os estamentos, ou seja, ninguém subia ou descia de sua posição.

Os principais estamentos:

· Nobreza – proprietários de terra

· Clero – constituído pelos membros da Igreja

· Servos – maioria da população (camponeses)

A Igreja

Enquanto o rei e a nobreza tinham suas propriedades divididas por casamentos, heranças, favores e lutas constantes, a Igreja acumulou entre 20 a 35% de todas as terras.

Na Idade Média, o livro por excelência foi a Bíblia, e pode-se dizer que a quase totalidade do que se produziu em termos de reflexão e pensamento estava diretamente relacionado aos textos sagrados do Cristianismo ou a suas interpretações. Das escolas monásticas às universidades, o essencial do sistema de ensino estava submetido ao controle da Igreja, que por sinal manteve monopólio sobre a escrita até o século XII. A instrução não tinha outra finalidade que a justificasse senão o aperfeiçoamento para os “ofícios de Deus”.

O cristianismo passava a responder aos anseios espirituais de um número crescente de pessoas, cujos problemas não eram solucionados pelo racionalismo greco-romano.

Assim, fixava-se aos poucos uma mentalidade simbólica que via no mundo um grande enigma decifrável somente pela fé. Um mundo que ganharia sentido apenas através de deus. A razão passara a ser vista como um instrumento diabólico, que mantinha o homem na ilusão de uma falsa sabedoria que o afastava da verdade.

Tal relação de reciprocidade entre Deus e o homem colocava este numa posição diversa do que tivera anteriormente. No paganismo clássico ele estivera diante de deuses sem o sentido do bem e do mal, divindades próximas ao homem e que se diferenciavam dele apenas pela mortalidade. Com o cristianismo, por outro lado, o homem viu-se distante e onipotente e de um Demônio sempre presente e tentador.

Economia

Economicamente o Feudalismo estava centrado na produção do setor primário (agricultura). Era claramente uma sociedade agrícola pelo fato de essa atividade envolver a grande maioria da população e por quase todos, direta ou indiretamente, viverem em função dela.

Havia o predomínio da produção destinada ao consumo próprio. A relação social de trabalho que marcou este período foi a servidão. (produtores dependentes, sem liberdade de locomoção, mas que escapavam à arbitrariedade de um senhor).

Feudo – era uma das principais unidades produtoras da economia feudal, produzindo cereais, carne, leite, roupas, utensílios domésticos e de trabalho. As atividades econômicas nos feudos eram a agricultura e a criação de animais.

Referências

FRANCO Jr, Hilário. O Feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1987. 6ª. Edição.

MICELI, Paulo. O Feudalismo. Coleção Discutindo a História. Campinas: UNICAMP, 1986.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário